Vocábulos - Alma do Poeta: Polos opostos

20 de out de 2011

Polos opostos

Das dualidades polarizadas
com a pródiga natureza,nos emana:

Das trevas
quero distância
da luminosidade
sorver seu brilho

          Da água
          sua eterna perenidade
          do veneno
          a toxidez para os ímpios

Do bem
o próprio bem
do mal
as mãos da justiça

          Das asas
          a liberdade dum vôo
          da têia
          armadilha para capturar os prepotentes

Da sêca
sua extinção
do inverno
sua perpetuação

          Do alto
          proteção divina   
          em baixo
          a eterna morada

Da violência
sua abominação
da paz
elementos para preservá-la

         Da vida
         a sabedoria de Salomão
         da morte
         equilíbrio pra sua transição

Dos anjos
a irradiação de suas auréolas
do demônio
a extirpação de seu dúbios poderes

          Do mar
          sua imensidão aquosa
          da terra
          adubo para replantá-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.