Vocábulos - Alma do Poeta: Insônia e ausência materna

20 de out de 2011

Insônia e ausência materna


"""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""" 

  "Dorme meu menino a estrela Dalva
              já a procurei e não há vi, se ela não vier
                  de madrugada, outra que vier será prá ti"

""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""

Estes versos
na verdade
é uma canção de ninar
não sei o autor, porém, sei
que minha mãe cantava
feito cantiga de ninar
até que o filho dormisse

Nesta
madrugada que introduz
o dia da amizade
fui atormentado por uma insônia
escabrosa
e eu pedi para a noite
não ter fim, até que dormisse
no entanto me bateu uma saudade
confesso, que o choro (em demasia)
driblou a insônia, e amanheci fatigado
indisposto

Enretanto
joguei tudo pro ar
e corri pra os versos

"Em
terras distantes
celestial, onde estais
meus pontos cardeais
encontram-se retido
em tua bússola

Em
terras próximas
os pássaros
matam suas sedes
com minhas lágrimas
e fazem um afesta
por nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.