Vocábulos - Alma do Poeta: Parodiando Cervantes (um atrevimento)

20 de out de 2011

Parodiando Cervantes (um atrevimento)


 "E eis que em peito aberto
     e coração dilacerado. encontro
       nas poesias de Prestes (Beatriz)
         um motivo de sintonia pra ser feliz"

(uma pequena homenagem, para minha madrinha)

@ @ @ @ @ @ @ @ @ @@ @ @ @ @ @ @ @ @ @ @ @ @ @

E
eu
feito Dom Quixote
(de La Mancha)
sem meu Sancho Pança
fiquei de tôca, de bobeira,
pensando e falando asneira

Infeliz do Sancho
morreu sem ao menos
usufruir da tão prometida ilha
a ele proposta

Na
verdade
não passa de mais
um delírio exacerbado
de Dom Quixote
um suposto cavaleiro andante
em mais uma manifestação
de extrema alaucinação

Quisera fazer do porbre Sancho
a sua Dulcineia de Del Toboso

- Meu amo! sou eu, seu auxiliar!

- Mas, Dulcinéia, cadê os laços
   nds teus cabelos de tranças?
- Ah meu Noé sem dilúvio
   ó Deus socorre esse efúvio!
- Linda Del toboso, porquanto
   me ausentas-te de ti
   e eu sem ti, e sem Mancha
- Vou celar Rinocente do mais puro
   cabresto em ouro, para entrar-mos
   na Igreja em grande estilo, nosso
   casamento vai abalar a Espanha

Ora! Sancho Pança
não tinha outra saida
acertou uma porrada em cheio
na cabeça do alucinado
e desmaiado o colocou
no seu esquálido cavalo
e o levou de volta pra casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.