Vocábulos - Alma do Poeta: 08/01/2012 - 09/01/2012

31 de ago de 2012

poema equação


Quero 
fazer uma dedicação
  mais que especial, para as poetisas, 
Regina Raggazi, Suzana; pôxa se for citar todos que 
visitaram  meu blog vai ser grande a listra, fica o meu abraço 
poético a todos.
........................................................................................................

Eu  (Bróis)
Ela (poesia)


Eu   +   ela   =    Alegria
Ela   +  eu    =    emoção


Eu   -   ela    = vazio
Ela  -   eu     = solidão

Eu   :   ela     = deserto
Ela  :   eu      = ermo

Eu   x   ela    = descomunal felicidade
Ela  x   eu     = felicidade descomunal.

16 de ago de 2012

Beli, Beli.

do
teu
sorriso
faço minha
alegria de viver
do teu olhar doce delírio
a adentrar em minhas retinas
feito báslsamo benigno, esplalhando
aromas, perfumando ambientes e mais e mais

Beli
não fosse
a tua beleza que
seria da humanidade; adoro
teu olhar no meu olhar.  Assim contem
plando tua beleza, me sinto também maisbelo
do que o que sou.  Beli, Beli, querida sobrinha de ti
não quero nada, a não ser um cheiro e um abraço teu. só
assim a humanidade irá perceber que o quer rege nossa atmosfera
é o calor humano; disso nunca me engano, beijos do tio Mário Bróis, poeta.

Arlequim e realidade

Na
desenvoltura
da tua altura, nunca
esconda o rosto para si memso
senão quando fores ao espelho naõ te
contemplarás; pois os olhos foram feitos par
serem livres leves e soltos; senão não veríamos à nossa
fente a tudo e a todos e aind mais registramos em nossas mentes

Foi
assim que
conheci meu antigo
amor.  Ai de mim se não fosse
meus pares de olhos. Não teria achado-a
nunca sem vista; ela é um amulher que retrata o mundo
atrvéds dos pincéis; foi assim que me vi pela primeira vez numa tela
e fui seduzifdo pelas tintas; nunca mais a perdi de gvista, nos visitamos quando
e
s
t
a
m
o
s

a
f
i
n
s
...................................................................................Bróis.

Bróis e o deserto

Sou
assim
mesmo,
feito um
eremita, sim!
Fazendo da solidão
o grito do meu silêncio

Sou
assim
mesmo;
feito escorpião,
na hora da defesa
injeto veneno, só que
meu veneno não mata e sim
dá mais vida ainda, porque ele é
constituido de vocábulos, feito volumosas
serpentes no deserto, donde a poeta clamando nele

Diz: 
serpentes
no deserto/um
caminho a seguir" busque
sua saida em pleno deserto que no
 mais; em qualquer outra estrada situação
irás tirar de letra qualquer impempéries.  Pois é foi
assim que Cristo se revestiu de coragem, fora justamente
n
o

D
s
e
r
t
o
...................................................bróis.