Vocábulos - Alma do Poeta: Da série poemas em guardanapos - partícula infantil

20 de out de 2011

Da série poemas em guardanapos - partícula infantil






Bekin Bassan: achei os escritos que te falei da criança, o rascunho estava entocado num suposto bau de papelão feito com minhas mãos: "aproveito para dedicar a ti, que tão bem falas do amor em sua plenitude, feito as poesias de Manoel Brazão e Bruno Gaspari".

<><><><>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>/p>

Quando criança
somos o que somos

Banhamo-nos nos rios
feito Adão

Quando criança
vivermos de imaginação
as ilusões
não fazem parte
do nosso universo

Os sonhos
são perpetuações

Somos
um todo, inteiro
sem subtração e sem divisão

A inocência
que permeia
nossas ações e gestos
é imune a malícias

Porém
quando adultos
muitos homens esquecem
ou mesmo abandonam
esta eterna criança
que reside dentro de nós
pertencente à nossa eternidade

Ao desprezar a criança
que habita em si
o adulto trilha caminhos
desprovidos de inocência
e impetrado de muitas malícias

- Um exemplo?
- as guerras, desumanas!!!!!
-outro exemplo; devassidão,
  corrupção, e por aí vai...

São trilhas
que colocam a humanidade
em situações propensas

A covardia, a falsidade
não pertence a criança
que o adulto deixou morrer;
por isso Deus diz:
"Àquele que quiser
  entrar no meu reino
  terá que vir feito criança"

No entanto
os adultos que não se perderam
desta habitante criança
dentro de nós
com certeza são seres livres
de qualquer penalidade.

Um comentário:

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.