Vocábulos - Alma do Poeta: Mãe (espasmos e dor)

20 de out de 2011

Mãe (espasmos e dor)




"Mãmae
  ontem
 eu passei mal 
 e lembrei de você
 e gritei :
 maaaaaaamaaaaêêêêêêêêêê" - Alceu Valença.

)))((()))((()))((()))((()))((()))((()))((()))((()((

Na
abertura vaginal
fenda
por onde me fez vida...
oriundo da minha mãe
Dona Terezinha
quanta saudade sinto hoje
face à sua ausência

Na
fenda, tal qual
abertura
democratica para o nascer
dela a mesma fonte de prazer
entre espamos e orgasmos
um instante a dor do meu nascer
como poderei este momento esquecer

Ela
que me deu as primeiras lições
de amar a vida feito poeta
nada, nada,  nada neste momento me afeta
para banir a saudade e a emoção
em forma, feito lentidão
me torando por dentro
feito esquartejamento,
me decepando a cabeça
feito guilhotina, mas;
quem dera
evitar algo que em forma de saudade
me maltrate me despedace,
por quem vida me dera

Com certeza
onde quer que ela
esteja, em orbes celestiais
ou além mais, vai o meu ósculo
e um pouco de versos: 

gostava de ver você
de conversar com você
hoje me falta em quem buscar
conversas sem falsidade

nos meus sonhos agônicos
em busca de te encontrar
me bate um saudade sem fôlego
e eu fico a buscar
respiração,
pelos mínimos orifícios
do meu ser material

... quando o choro
é um grande antídoto
é como neste instante
age sobre mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.