Vocábulos - Alma do Poeta: Guardo no sangue o verde o amarelo e o anil (meu sangue é Brasil)

20 de out de 2011

Guardo no sangue o verde o amarelo e o anil (meu sangue é Brasil)




Dedico carinhosamente
este poema a minha querida amiga poetisa
Amarillis Pazzine Aires, acima de tudo
pelo seu sorriso constante.  Ósculo.



Diante
do teu sorriso
me rendo da minha ignorância
Diante
do teu sorriso
peço perdão a Deus
pelas minhas transgressões
na certeza de que Ele está presente
neste teu dilacerado sorrir

Diante
do teu sorriso
me rendo as façanhas
e olho para minhas entranhas

Despir-me
jamais
a não ser
para o sorriso que nos envolve
e nos leva a meditar, a refletir
a raciocinar; os elemento que
envolventemente estamos inseridos
e deles , ao invés de preservá-los
na ótica cristã, não; invertemos
ao anti-cristã

Se
o reino do alto é luz
da própria natureza
aqui a luz é artificial
é preciso
um aqueda d'água muito forte
e essa água vem de onde?
vem do reino, da natureza
da Soberania celestial
de um Senhor que só deseja-nos o bem
e nós propagando o mal, o incesto
assim algum dia em vês de sorrirmos
iremos desaguar em choro

Enfimdiante deste sorriso
me rendo ao silêncio
para não cortar o barato da alegria
alegria feito sinônimo e verbo
verbo num rosto infantil
dum país chamado Brasil.

<BRÓIS>>>
- um enfoque importante que esqueci: O título deste poema é extraido de uma música de Almir Guineto cantado pela Beth Carvalho.

2 comentários:

  1. O poema é belíssimo, a Amarillis merece esse mimo me amigo poeta...versos de uma Fé inabalável....
    grata pela partilha
    abraço de muita paz
    Nina

    ResponderExcluir
  2. Que honra poder ser poetada por vc meu amigo querido.
    A amizade de energias que nos une só pode ser do além...das muitas vidas que nos esbarramos.
    Obrigada por todo este carinho e amizade.
    Um grande bjo no coração

    ResponderExcluir

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.