Vocábulos - Alma do Poeta: Versos a uma matricarca (onde o céu abraçou-a)

20 de out de 2011

Versos a uma matricarca (onde o céu abraçou-a)


>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

"Se quiserem saber o porque sofri
     lutando contra o orgulho mundano
        e   como   a  vil   calúnia    conheci
           perguntem aos que se sentem puritanos"
          
- Silvandira Camargo Pereira - matriarca da Casa da Poesia,
  a quem o céu chamou. Uma homenagem póstuma.

/strong>
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Pois é
amada poetisa
que da vida, ao céu
se apresentou
deixando-nos versos
repletos de primazia e amor

Pois é
amada poetisa
que da vida ao céu
se apresentou
tão ausente
no pressente
tão presente
nunca se ausentou
pois, teus poemas
feitos não de repentes
ficaram entre agente
semente a germinar
e brotar e brotar a cada
encíclica da natureza
feitos as primaveras
que em folhas soltas 
irradiantemente abertas
mostra que  os ventos as levam
com versos que de ti brotou

Pois é
amada poetisa
que da vida
ao céu se transportou
e agora junto as falanges
incontáveis
és fios de espiritualidade
a tecer  versos celestiais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.