Vocábulos - Alma do Poeta: Candeeiro e Roçado (velhas lembranças)

20 de out de 2011

Candeeiro e Roçado (velhas lembranças)


>>@@@@>>@@@>>@@@>>@@@>>

Quando via a chama
do candeeiro a querosene
da minha avó Josefa
costumava me concentrar
por um longo período
observando o movimento
da chama vertical
ora
riste, estática
ora outra
movimentando-se
(em função do vento)
neste instante minha atenção
redobrara-se, ela (a chama)
entrava num processo de equilíbrio
oscilando de um para o outro lado
eu conclui que com estas observações
era uma lição para eu enxergar
o que estava ao meu redor
e não apenasmente ver
também injetou-me paciência

Fora
um tempo áureo
em que a agricultura
ainda não industrializara-se
e eu cresci ali na Boca da Mata
(hoje, Ceará-Mirim)
por entre engenhos de cana-de-açúcar
muitas fruteiras, e vegetação
tinha eu um carinho todo especial
por um pé de serigüela
quando tava na safra me avô Zacarias
colhia do pé, e dizia pra minha avó
- quando o molequinho Mário
chegar do primário (escola de alfabetização)
é para ele lanchar; achava uma delícia
e eu era um menino danado
subia nos pés de mangas. cajus
fruta-pão, goiaba, azeitona...

O meu avô Zacarias
tinha um roçado lá no fundo do sítio
de onde colhia o alimento da família
e ele não gostava que entrassem lá
tinha um enorme ciúme do tal roçado.
Dos netos dele, o único que nunca entrara fui eu
gostava de respeitá-lo ao máximo
e com isso tinha todo apoio dele

Quando eu
já grande, homem feito
já com emprego fixo e tudo mais
morando na capital, soube da morte dele

Resolvi fazer uma visita ao velho sítio
a primeira coisa que olhei foi o candeeiro
e ele não estava no mesmo lugar
ao entrar no velho roçado,
fui tomado por uma emoção muito forte
e perdi os sentidos, acordei
no leito do Hospital da cidade
em instante chegou o médio,
o Senhor é Luiz Mário, - sim senhor!
- tem uma visita - faça entrar
era uma tia minha, muito apegada
- abença tia Maria! - Deus te abençoe
- soube que estava aqui
e vim deixar uma encomenda
que meu pai, seu avô me responsabilizou

...fui tomado por uma sensação agradável
também sob efeito da medicação
quando abri o invólucro, era o candeeiro
o mesmo candeeiro onde aprendi a meditar
através de sua chama, dentro um acarta manuscrita:
"Querido neto
Luiz Mário:
já tô com idade avançada
e sinto que meus momentos
agonizam e clama para o além
mas, se a memória não me falha
percebi várias vezes você concentrado
no chão de barro da sala,
com olhar fixo neste iluminador
com a chegada da energia elétrica e
u guardei, porque sabia que um dia irá chegar
o momento de você procura-lo
guarde como lembrança do meu carinho por você.
....................Vôzaca.................

Existem momentos
que jamais se apagarão
de nossas memórias.

>>@@@>>@@@>>@@@>>@@@>>@@@




as coisas e não só ve-las

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.