Vocábulos - Alma do Poeta: Melancia e poesia (reflexões poética a Márcia Vilarinho)

20 de out de 2011

Melancia e poesia (reflexões poética a Márcia Vilarinho)

"Meu dia despertou
singularmente
aquecido pelo sol
da América Latina
afinal, moro
na esquina do continente
onde a entrada é asfalto
mas, a saída é litoral, muito mar
terra de Pedrinho Mendes e Sueldo Soares
também de Núbia Lafayet, Elino Julião
Câmara Cascudo, Café Filho
porque não Aluízio Alves
(o imortal estadista maior)

Meu dia 
já esta-se alimentando 
do que mais gosto
uma fatia de melancia
e uma poesia de Márcia
a dizer: "Descalça na areia
            marco pisadas sem fim"
e eu no encalço e embalado
pela beleza da poesia
dispo-me de toda minha
estrutura emocaional
e grito para humanidade inteira
vamos acompanhar as pisadas
da poetiza nobre mãe
aí chegaremos descalço 
no coração dela, a realimentar
o seu artífice: esculpidora de vocábulos
artesã de palavras, enaltecedora de emoções...

Quero a conjugalidade da tua cognitividade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.