Vocábulos - Alma do Poeta: Da série: "quem faz um poema abre uma janela"

20 de out de 2011

Da série: "quem faz um poema abre uma janela"

Epígrafe III - Arrebol e indumentárias.

- Dedicado carinhosamente a Thaís Mariano, pelas muitas emoções que ainda há de sentir poético e humanamente.

                     "As estrelas envolvem meu ser
                      adormeço amparado pela noite" (T. Mariano)

...Ao abrir
a janela 
que dá pro terraço
pude perceber
que no outono, o arrebol 
é de um vermelho mais intenso
(sobrepõe-se a um vermelho mênstruo)

E os pássaros
em revoada, feito bailado
(num ritual assíduo e descomprometido)
promovem um canto algazarreiro
onde os bem-te-vis e os pardais
gorjeiam incesantemente
como a querer saudar
o majestoso tempo
(Senhor dos dois destinos)

...Ao abrir
a porta que dá pra rua
pude ser absorvido
pela alvorada em toda sua plenitude
e com ela o sussurros
dos trabalhadores matinais
alojando o corpo
em elegantes indumentárias

Vendo o aglomerado
na parada; em forma de confraria
manifestou-me uma determinada alegria
acompanhada instantaneamente
por uma rebeldia.
Lembrei-me dos inocentes mortos
nos holocaustos de: Hitler
                              Lênim
                              Stalin e da
                              Inquisição
... e descobri o quanto somos desumanos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.