Vocábulos - Alma do Poeta: Me chamo poesia

20 de out de 2011

Me chamo poesia


- Quero neste instante
   pedir licença a Renato
   e a madrinha Beatriz
   para repostar este poema
   para os poetas novos
   tomarem conhecimento
   aproveito para dedicar
   a Amartvida (Nina)
   com o carinho do poeta Bróis.
-----------------------------------------------------

- Quanto mais comentários
   mais a poesia agradece

------------------------------------------------------

Me chamo poesia
altruísta e peculiar
pertenço a biogênese

Perambulo
pelo mundo afora
habitando bibliotecas
prateleiras escolares
salas de leituras e estantes
bolsa de executivas
pasta de empresários
alforges de caçador
mochila de andarilhos
prateleira de sebos e afins
birô de bacharéis e menestréis
axilas de proletários, enfim direi
etc... etc...etc...etc...

Existo
dede os primórdios
da sensitiva existência humana
porém, não sou soberana
me divido com a crônica
e me alio a prosa em versos

Jogar idéias
com vocábulos
formar pensamentos
mexer com sentimentos
- Ó! majestosa poesia,
que beleza que tu és

Você
que no arrebol
fecha a cortina
para o descanso
dos amante da noite
e descortina-se
para os trabalhadores matinais labutar

- Ó! dadivosa
e consistente poesia
te amo, te amo, te amo

Vós
que cobriste de iluminação
Patativa do Assaré
dominaste a pena esferógfrafica
de Luis de Camões
imortalizas-te Aluízio Matias com a frase:
"PAZ AS BALAS CHORAM POR TI"
e tantos outros poetas
como Auxiliadora Cavalcanti,
Márcia Vilarinho, ambas
trilhando iluminados caminhos,
a ti querida poesia,
o meu desejo de imortaliza-la
por toda eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.