Vocábulos - Alma do Poeta: Construindo vocábulos - desaguando em poesias. Segunda epígrafe: "me chamo poesia" - Dedicado a Luciene Prado.

20 de out de 2011

Construindo vocábulos - desaguando em poesias. Segunda epígrafe: "me chamo poesia" - Dedicado a Luciene Prado.

Me chamo poesia
altruísta e peculiar
pertenço a biogênese

Perambulo pelo mundo afora
habitando bibliotecas
prateleiras escolares
salas de leituras, estantes
bolsas de executivas
pastas de empresários
alforges, mochilas de andarilhos
prateleira de sebos e afins
axilas de classe proletária
..enfim, direi; etc etc etc

Existo desde os primórdios
da sensitiva existência humana
mas, não sou soberana
me divido com a prosa
me alio à crônica
numa parceria sem disputa

Jogar idéias com os vocábulos
formando pensamentos
- ó majestosa poesia
que beleza que és
a consumir-me prodigiosamente

Vós que no arrebol
fecha as cortinas
para repouso dos noctívagos
e descortina-se na alvorada
para os trabalhadores matinais labutar
- ó dadivosa te amo, te amo, te amo

Cobriste de iluminação inspirativa
Patativa do Assaré
dominaste a pena esferográfica
de Luís de Camôes
imortalisaste Aluízio Matias, com a frase:
"PAZ AS BALAS CHORAM POR TI"!
peço-te que continues iluminando
os poetas dos rincões deste planeta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.