Vocábulos - Alma do Poeta: Bróis e a poesia (um pequeno diálogo)

20 de out de 2011

Bróis e a poesia (um pequeno diálogo)


"De sabor inexplicável
         de paixão incontrolável
               de sedução irresistível"

Minha declaração de amor pela poesia, com versos acima de Noite de Núpcias de Auxiliadora Cavalcante, a qual dedico-lhe este texto.
--------------------------------------------------------------------------------

- Olá majestosa poesia,
tens consciência
da grandiosidade
do teu eu?
- Como assim Bróis?
- A questão é que você, penetra
em palácios suntuosos
sem haver necessidade de formalidade.
adentra pelos rios, oceano, mares
sem precisar nadar
percorre estradas mundo afora,
sem passagem comprada
- Ah Bróis também não é assim!
para me estabelecer, comi o pão
que o diabo amassou;
a maior dificuldade que tive
foi habituar as pessoas
a me lerem.
- Bom, mas a leitura não é automatica?
- Para quem gosta, Bróis;
a maioria das pessoas
prefere ler futrica de última
página de jornal
gostam de ler revistas de fofoca
gostam de perder tempo com BBB
perdem tempo diante da tv
e por aí vai
por pura preguiça de ler

- Majestade tenha convicção
que você é a elite da nossa cultura
- Elite; eu? ah você foi longe demais agora
já fui taxada de literatura marginal
porque os poetas em geral são performáticos
vai além do limite do convencional
vai além do estabelecido, do imposto
eles rompem as barreiras do conservadorismo
- Peraí, falo elite, porque tens o dom
de dar roupagem aos vocábulos
tens o dom de por melodia as palavras
és uma indumentária colorida
em versos e prosa, a pintar as portas
dos castelo medievais, aonde vais
- Poeta, vamos para por aqui, que eu
já tô me convencendo que tens razão
em tudo que falas, depois esse poema
comprido demais, pode cansar o leitor
- Mas, majesta, há poetas que te expressa
tão bem com poucos vocábulos
quem não quiser ler minha poesia
vá ler a de Marilândia Rollo
agora se prepare com um dicionário
e arraste a sapiência do fundo das
cucuias, martele nego "A casa da poesia"
não brilha a toa, é fera amparando fera.

   "Não quero saber quem sou
    não sou alegre nem sou triste
    sou poeta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.