Vocábulos - Alma do Poeta: Água e perfume

20 de out de 2011

Água e perfume

- Dedico este soneto a poetisa Ruth Olinda, que tão bem os escreve.

 E ao banhar-me nas águas
límpidas do tranqüilo Igarapé
estarei provando da sensação
hídrica; da pródiga natureza

Depois irei ao campo silvestre
colherei folhas de alfazema e jasmim
pilarei-as até que extraia o sumo
misturarei à água e rebanharei-me

Hummm, agora sim! sou fragrância
perfumado sou um conquistador
e vou em busca do meu lindo amor

Que de repente vejo-a na multidão
mas, vejo-a só, e eu estando só
ela me vê no meio da sua multidão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.