Vocábulos - Alma do Poeta: Infiniutas trilhas

8 de dez de 2011

Infiniutas trilhas



Fiz
trilhas 
quase infindáveis
e numa última estação
desconhecida
me deparei com um abismo
jorrando fluentemente
gotículas de água
feito enxurrada, alimentando 
um manancial: "o Rio Alph"
na imaginária cidade de Xanadu

Mas, 
eu estive lá
deixei rotas e trilhas
enlevo de escritos
porém, queimaram na fogueira da inquisição
As rotas de melhores atalhos
escrevi-as nos livros de cavaleiros
Dom Quixote comprou todos 
e os colocou em sua biblioteca
só que um padre de La Mancha
queimou-os achando ser culpado dos surtos
do caveleiro andante
.  Escritos relicários, quem diria pertenciam
ao tal cavaleiro que emputava aos feiticeiros
suas loucuras
.  Verdadeiros mapas detalhando Xanadu
entretanto depois que eu estive lá
a cidade desapareceu

Me lembro de um detalhe
peculiar
vi de perto as mulheres 
banhando-se no rio
elas entoavam um canto esquisitíssimo
tipo um ritual, repentinamente 
apareciam aquele monte de demônios
isso mesmo, elas cantavam exaltando 
seus amantes demoníacos

Depois desta cena, olhei para o abismo
e ele já estava mais lá, neste momento
acordei com minha cachorra Dinka
lambendo minha cara, ela é meu despertador
hora de trabalhar.

Um comentário:

  1. - Desculpem ainda tou aprendendo, onde tem "e ele ja esta mais lá" ler-se: "e ele já não estava mais lá.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.