Vocábulos - Alma do Poeta: Equilibrista (nuances fora do além)

11 de dez de 2011

Equilibrista (nuances fora do além)


Num 
fosse eu
esperto nômade
já teria dançado
de preferência o bolero de Ravel

Malandro
que se preza
atravessa oceano sem barco
e o deserto com pouca
água

Meu
eterno morar
será num mirante mar
e de lá contemplarei
todas as coisas
que me forem concedidas
esmiuçarei meu próprio eu
nas profundeza oceânicas
quiçá! peixe possa ser eu no mar

Todo
policial 
tem um pouco de Hitler
carrascos, não entendem de desejos
adoram torturar
- uma vez falei para meu filho
que a tortura bem praticada
ajuda no processo de respeito
- ele me respondeu
- que pensamento estúpido meu pai
Ele tava com a razão
Cristo já pagou
o preço de todas as torturas
direcionadas a nós
mas, eu falo dos policiais
 que não tem amor
no coração,
mas é só pedir que Deus dá

Uma vez
estava eu num show
de Gonzaguinha 
e faltou energia por instantes
na plateia escura do teatro
alguém disse coisas desagradáveis
assim que retornou
a tal energia, aí o cantor
disse: "as coisas no escuro são
mais fáceis de serem ditas"
que legal, né; reflita nela
meu caro leitor, pois a escuridão
transforma os seres em hipócritas
as trevas injeta falsidade 
e estando com ela 
para chegar a luz
é uma tremenda 
caminhada
- Você sabe 
onde as águas  se originam
leia a bíblia e descubra 
quantas vezes a palavra água
é notificada, faça um desafio
a você mesmo
de Gênesis a Apocalipse...
bom não vou dizer 
senão perde a graça 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.