Vocábulos - Alma do Poeta: O degustador de vocábulos (uma chamada ao livro)

2 de fev de 2012

O degustador de vocábulos (uma chamada ao livro)

Degusto
vocábulos
como quem mastiga maçã
na primeira hora da manhã

Degusto
vocábulos
como quem bota a mão
tira do pé e come o mamão

Sim!
sempre e sempre,
degustei-os, com os olhos
mas a mente é quem ler,
como quem ler o amor.

Amor interior, 
feito cordão umbilical;
e faço deles, 
a arte maior
do meu viver, 
e querer
viver.

6 comentários:

  1. bravo amigo Mário..
    nos brindaste com o sabor da leitura leve e primorosa..
    beijos perfumados..

    ResponderExcluir
  2. Poemas Tecidos concorda com Ingrid e uma tal de Luciene também diz que concorda. Vim aqui apreciar um pouco seu blog. Vou ver mais poemas. Essa leveza e primorosidade do poema nos faz mesmo querer lê-lo repetidamente.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. - conheço uma Luciene, encontrei-a por entre poesia e hipódromo, campina; em meio ao Prado. Linda, linda. A poesia e o poeta agradem a essas duas poetas que fazem roda gigante girarem, com a força dos vocábulos. Ingrid daqui senti o aroma de tua presença. Grato.

    ResponderExcluir
  4. Acabo de adicionar um blog novo onde agora posto textos em prosa. Gostaria de sua presença lá.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. P.S.: São textos bem simples.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. - digite aqui o endereço Luciene, não se procupe o blger é meu, aí será divulgado a quem interessar lêr-te , além de mim.

      Excluir

Obrigado por sua presença aqui no meu espaço de poesia e alegria.